Fibra

Início > Opinião > Mercado de e-books: consequências para o editor e utilizador

Mercado de e-books: consequências para o editor e utilizador

sexta, 17 fevereiro 2012 14:43   Manuel Gonçalves Neves

CEO_MarkaO livro impresso têm estado algo imune à onda digital que alterou profundamente a forma como os utilizadores adquirem e consomem outros media como música, jornais, filmes ou TV.

 

 

São evidentes as modificações que a onda digital operou em algumas atividades industriais /comerciais. É o caso do mercado discográfico, em que as alterações foram tão profundas que levaram ao fim de muitas empresas e ao entrar de novos operadores com ofertas de produção e venda mais eficientes e atractivas para o consumidor.

No entanto, o ponto a reter daquelas alterações, não foi o desaparecimento dos setores afetados ou a diminuição do valor de mercado mas sim o facto de as mudanças na produção, distribuição e venda dos media terem sido conduzidas por empresas sem ligações prévias ao sector.

Nos últimos três a quatro anos a indústria do livro começou a sentir o efeito digital. A pequena ondulação inicial tornou-se numa onda que já não pode ser ignorada e sim aproveitada pelos potenciais benefícios que lhe estão associados. Benefícios como a redução de custos de produção, armazenagem e distribuição.

Actualmente, os editores portugueses têm a possibilidade de aproveitarem os benefícios da onda digital sem qualquer tipo de investimento.

O receio dos editores e autores portugueses verem as suas obras distribuídas e copiadas no formato e-book é genuíno, mas não pode ser um bloqueador da entrada no mercado. Existem soluções tecnológicas que oferecem níveis de segurança, que não sendo 100% seguras, podem ser consideradas mais eficazes do que o risco que os editores portugueses já correm com as suas edições impressas. O risco, diga-se, de poderem ver as suas obras fotocopiadas, digitalizadas e distribuídas livremente em formato digital na internet sem autorização.

As tecnologias conhecidas como “Gestão de Direitos de Digitais” ( Digital Rights Management, DRM) permitem que os editores disponibilizem publicamente as suas obras no formato e-book de uma forma segura e controlada.

Cientes das adversas condições de mercado que os editores portugueses enfrentaram nos últimos 3 anos e meio, o Grupo MARKA investiu na criação de serviços e plataformas digitais que oferecem, gratuitamente, serviços de livros digitais aos editores. Foram optimizados para que a compra de e-books seja intuitiva para o leitor, não tendo este a necessidade de comprar equipamento ou software específico. Sendo portador de um computador (Windows ou Apple), iPad, iPhone ou equipamento com o sistema operativo Android, basta que instale determinado software gratuito para leitura digital.

Aos editores, o Grupo MARKA oferece uma gama de produtos - totalmente gratuitos - que permitem a fácil e rápida implementação da politica e estratégia comercial para e-books.

A plataforma construída em três anos com engenheiros formados em faculdades nacionais, com especial destaque pela Universidade de Aveiro, facilita a modernização do processo editorial. Às editoras garante: o teste da produção de e-books, a partir de ficheiros PDF e/ou ePub; a encriptação e armazenagem das obras; a colocação, segura, do livro nos canais de distribuição digital, que inclui já o site do editor; o envio de cópias de inspeção a destinatários selecionados pelo editor; a colocação dos livros digitais no nosso portal de Gestão de Bibliotecas de e-Books.

Manuel Gonçalves Neves

CEO Marka

(artigo escrito ao abrigo do antigo acordo ortográfico)

Briefing advocatus fibra Welcome store


Considerações Legais     © 2015 fibra     Ficha Técnica      Estatuo Editorial