Fibra

Início > Opinião > A experiência da ANA no Plug and Play

A experiência da ANA no Plug and Play

quinta, 17 novembro 2011 12:23   Artur Arnedo

Artur_ANAA presença da ANA Aeroportos de Portugal (ANA) no pavilhão português do Plug and Play (PnP) em Sillicon Valley foi uma aposta nos projectos internos de IDI (Investigação, Desenvolvimento e Inovação) de cariz tecnológico e no estudo do seu potencial de mercado, competindo, durante três meses, com uma rede de empreendedores para a captação de investidores – Venture Capitalists e Business Angels – ou parcerias de negócio.

 

 


Foi também uma oportunidade de ter contacto com uma realidade distinta daquela onde habitualmente se posicionam os nossos projectos de Inovação. Por um lado, lidamos com diferenças relacionadas com a cultura de empreendedorismo do mercado americano, principalmente na forma como se encara o falhanço como uma etapa na aprendizagem e no crescimento profissional do empresário. Por outro – e terá sido este o que pessoalmente mais me agradou – com a velocidade a que as etapas se sucedem e as barreiras vão sendo ultrapassadas, fruto de uma abertura e frontalidade de todos os agentes, de empresários a potenciais parceiros e investidores.

Igualmente importante, a rede de apoio à disposição de todos os presentes no Plug and Play é fantástica, paradoxalmente obrigando-nos e motivando-nos a dar 200 por cento do nosso esforço para cumprir os objectivos definidos, o que é verdadeiramente recompensador.

Os objectivos da ANA para este projecto são fundamentalmente dois. Em primeiro lugar estudar a aplicação no mercado americano do A_Guidance, um produto desenvolvido pela nossa empresa em parceria com outras entidades nacionais. Por outro lado, desenvolver um modelo de negócio adaptado à realidade técnica, comercial e jurídica, que permita perspectivar a introdução deste produto no mercado americano.

Depois das primeiras semanas no PnP, ficou evidente que a aposta de concretizar estes objectivos junto do mercado-alvo foi acertada, como aliás foi reconhecido por todas as start-ups europeias que se depararam com este mesmo desafio num estágio de evolução análogo àquele em que nos encontramos.

Foi uma opção que permitiu o crescimento profissional de todos os participantes no programa, com benefícios para a empresa. Nesta participação de três meses, entre Abril e Junho, a ANA faz-se representar também pelo Eng.º Nuno Duarte, que participa activamente em projectos de cariz tecnológico inovador da empresa. Em articulação com uma equipa de apoio em Portugal que permitiu agilizar bastante a concretização do plano de trabalho e disseminar o conhecimento e as práticas adquiridas.

Os resultados foram excelentes. Nas reuniões com aeroportos recolhemos dados muito interessantes sobre o mercado, a concorrência e potenciais parceiros locais. Visitámos um número considerável de aeroportos, conhecendo as soluções aplicadas, e ficámos muito optimistas com as perspectivas comerciais.

Fruto também dos resultados dessa pesquisa e da nossa abordagem comercial, atraímos atraído a atenção de alguns investidores, e não estou a falar apenas para o mercado americano. De facto, este é o lugar para estar quando se pensa em grande, especialmente em soluções tecnológicas de cariz global.

 

Artur Arnedo
Responsável pela área funcional de Coordenação de Projectos de Inovação e Tecnológicos Especiais da ANA – Aeroportos de Portugal

Briefing advocatus fibra Welcome store


Considerações Legais     © 2015 fibra     Ficha Técnica      Estatuo Editorial