Fibra

Início > Opinião > A era dos telefones espertos....

A era dos telefones espertos....

terça, 07 dezembro 2010 10:34   Luis Godinho

Luis GodinhoSmartphones, Tablets, Android, Aplicações, Redes Sociais...se recuarmos apenas 3 ou 4 anos, estas palavras ou eram desconhecidas ou faziam parte de um futuro que imaginávamos na altura ainda distante.

 

Quando entrei neste mercado das telecomunicações móveis, nos anos 90, os primeiros telefones móveis não eram muito móveis. Alguns pesavam uns bons quilos, custavam umas centenas largas de contos (no saudoso escudo) e eram transportados em malas. Mas depois apareceram os telefones móveis digitais, da rede GSM, esses já pesavam menos de um quilo, já eram verdadeiramente transportáveis e já cabiam no bolso do casaco.

A evolução a que assistimos nas redes móveis, até meados da decada que agora termina, foi essencialmente do lado dos equipamentos que se tornaram mais pequenos e bonitos. Até essa altura, os consumidores, para além dos serviços móveis de voz apenas se interessaram pelos SMS e mais recentemente pelas fotos no telemóvel. Coisas como o GPRS, 3G, MMS eram amplamente anunciados pelos operadores móveis, mas recebidos com desconfiança pelos seus Clientes.

Não sei quem desencadeou a mudança, se os operadores, os fabricantes, a Google ou a Apple, mas o que é verdade é que cada vez se vão vendo mais pessoas a usar o mail no seu telemóvel, a actualizar o seu Facebook, a disfrutar dos ultimos jogos da moda, ou simplesmente a consultar as noticias ou os resultados da bola.

Os telefones espertos (ou no mais elegante jargão do meio, os Smartphones) são a mais recente moda e tornaram-se um produto aspiracional para muitos portugueses, porque permitem fazer tudo isto e muito mais.

Calcula-se que por esta altura natalicia, cerca de 1 em cada 5 telemóveis vendidos em Portugal, seja um Smartphone. Na restante Europa Ocidental vão ser 1 em cada 3, pois na maioria dos mercados os operadores subsidiam os telemóveis e o poder de compra é maior.

Na hora de escolher um Smartphone, o consumidor vê-se perante uma decisão dificil: qual o sistema operativo a adoptar? iPhone, Android, BlackBerry, Symbian, Windows Mobile?

Esta é uma decisão pessoal, que deve ser baseada nas expectativas de cada um e, claro, no orçamento disponivel.

A empresa que represento (a ACER) tem concentrado o seu portfolio de novos modelos no Android, sobretudo porque acreditamos que esta será a escolha mais racional da maioria dos consumidores.

Nos Estados Unidos, o Android já é o sistema operativo mais vendido em Smartphones e na Europa é o segundo.

Na minha opinião, as razões de sucesso do Android são:

i) a facilidade de utilização e de personalização do Smartphone – cada consumidor consegue criar o seu proprio telefone, colocando widgets nos ecrãs (de noticias, do tempo, das redes sociais) e utilizá-lo sem o necessário recurso ao manual de instruções.

ii) a disponibilidade de aplicações e de jogos no Android Market – a maioria dos quais gratuitos e de grande qualidade.

iii) as capacidades de multimedia dos Smartphones Android: no meu Smartphone eu tenho vários albuns de musica, tenho videos caseiros que vou fazendo e tenho uma serie de fotos. A maior parte dos meus acessos ao Facebook faço através do meu Smartphone. Raramente deixo os mails acumular, pois vejo-os com frequência no móvel...

iv) os preços: Actualmente podemos comprar Smartphones Android a partir de €129,9. Claro que a experiência de utilização vai melhorando à medida que vamos testando modelos mais caros, mas pelo menos os consumidores tem uma grande amplitude de escolha em termos de preço.

A Google conseguiu que fosse possivel tudo isto e muito mais de uma forma simples e acessivel a partir dos nossos telemóveis. Tem constantemente melhorado o Android (desde o inicio de ano que já assistimos ao lançamento de quatro versões, sendo a Froyo (ou 2.2 a mais recente) e prepara-se para lançar uma versão, especifica para os Tablets – a versão HoneyComb (ou 3.0).

O novo formato portátil da moda são agora os Tablets e estão a surpreender positivamente em termos de vendas.

E enquanto se discute se estes novos equipamentos serão pequenos PCs ou Smartphones grandes e qual o formato que irá vingar (10 ou 7 polegadas), alguns fabricantes de PCs (como a ACER que represento) e fabricantes de telemóveis já anunciaram que vão entrar neste novo segmento.

Mas será que existe espaço para tudo? Poderão coexistir telemóveis convencionais, Smartphones, Tablets, Netbooks, E-Book Readers?

Eu acredito que sim.

Vão existir pessoas que vão querer ter vários formatos, consoante as ocasiões. Usar o seu Smartphone quando estão em viagem, o seu Tablet quando estão numa apresentação profissional (ou simplesmente refastelados no sofá a jogar ou a navegar) e o seu Notebook quando necessitam de fazer operações mais complexas (trabalhar em folhas de cálculo ou em apresentações ainda requer as teclas e o ecrã do PC).

E vão existir pessoas que irão continuar a usar apenas alguns formatos mais simples, como o telemóvel, e a quem essa coisa da Internet, ainda continua a meter algum medo!

São estas pessoas, que não tem perfil no Facebook e que preferem dar beijos reais em vez de bjks, que se riem com gosto, em vez de enviarem lols e que fazem questão em juntar a familia e os amigos à volta de uma mesa, em vez de enviarem centenas de posts, que eu mais invejo...

Luis Godinho, Sales Manager Portugal, ACER Smartphones
ACER Smartphones

Briefing advocatus fibra Welcome store


Considerações Legais     © 2015 fibra     Ficha Técnica      Estatuo Editorial