Fibra

Início > Empresas > Executivos de TI acreditam que mobilidade vai impactar negócios

Executivos de TI acreditam que mobilidade vai impactar negócios

quinta, 28 junho 2012 01:00

accentureDois terços dos CIO e executivos de TI acreditam que a mobilidade vai impactar os seus negócios tanto ou mais do que a internet nos anos 90. Esta é a conclusão de um estudo levado a cabo pela Accenture.



O Accenture 2012 CIO Mobility Survey revela ainda que mais de dois terços dos inquiridos, cerca de 69 por cento, alocariam mais de 20 por cento do orçamento disponível este ano em investimento na área de mobilidade, sendo, neste caso, notório o contraste entre os responsáveis de TI nos mercados emergente (94 por cento) e nos mercados maduros (35 por cento). Mais: 48 por cento dos inquiridos nos primeiros mercados possuem uma estratégia de mobilidade amplamente desenvolvida, enquanto apenas 12 por cento dos inquiridos nos mercados maduros alegaram ter semelhante estratégia.

 “A maioria dos CIO reconhece atualmente o potencial da mobilidade para transformar o seu negócio e isso refletiu-se no investimento crescente das áreas de TI no segmento da mobilidade”, refere Dan Lauderback, líder global da área de mobility services da Accenture. “No entanto, vemos ainda CIO a debaterem-se com a proliferação de dispositivos e aplicações desenvolvidas pelos colaboradores, e muitos parecem ainda estar na fase de descoberta relativamente às oportunidades que as soluções de mobilidade apresentam. A mobilidade não é uma simples extensão do atual legado dos sistemas informáticos, é uma forma completamente nova de fazer negócio. As empresas que estão focadas em aumentar as capacidades dos seus colaboradores e clientes e em encontrar novos caminhos para o negócio através de soluções de mobilidade começam a destacar-se”.

A pesquisa revela ainda que algumas áreas são mais complexas na adoção de soluções de mobilidade por parte de algumas organizações, como é o caso da segurança e dos custos.

Os executivos de TI e os responsáveis pelo desenvolvimento de aplicações têm vários planos para gerar receita no mercado dinâmico atual. “Na área empresarial, 42 por cento dos responsáveis de TI indicaram querer melhorar a prestação de serviço ao cliente através do acesso direto às bases de dados corporativas, aos dados de negócio relevantes e ao processamento imediato de transações. Os responsáveis pelo desenvolvimento de aplicações citaram os downloads (41 por cento), as compras através de aplicações (29 por cento), a publicidade tradicional (24 por cento) e as subscrições (20 por cento) como formas de rentabilizar as aplicações de consumo”, lê-se no estudo.

A análise constatou ainda que existem algumas discrepâncias de opinião com base na geografia: existe um número superior de executivos de TI em mercados emergentes focados na mobilidade em comparação com os mercados maduros. Por exemplo, 93 por cento dos inquiridos na América Latina e 81 por cento dos países asiáticos indicaram que a mobilidade lhes proporcionará receitas novas e significativas. Por outro lado, apenas 66 por cento dos europeus e 56 por cento dos entrevistados norte-americanos concordaram com tal opinião.

Também os mexicanos e chineses inquiridos, assim como 40 por cento e 32 por cento dos entrevistados na Índia e no Brasil, respetivamente, partiram da opinião de que a mobilidade irá impactar o seu negócio, tanto ou mais do que a internet nos anos 90. Contudo, apenas um em cada cinco (20 por cento) dos entrevistados no Reino Unido e nos Estados Unidos concordou.

“Já assistimos anteriormente a este efeito de saltar etapas nos mercados emergentes”, disse Lars Kamp, responsável de estratégia e corporate development da área de mobility services da Accenture. “Muitas vezes, as organizações nestes mercados podem começar com uma folha de papel em branco e simplesmente implementar a nova tecnologia”.

No geral, o estudo da Accenture conclui que os executivos de TI devem criar uma estratégia global de enterprise mobility, mediante uma abordagem que inclui três elementos principais, segundo a empresa: tecnologia, requisitos de negócio e gestão.

Fonte: GCI

Briefing advocatus fibra Welcome store


Considerações Legais     © 2015 fibra     Ficha Técnica      Estatuo Editorial